Aldo Ferrer e a densidade de ser

Aldo Ferrer e a densidade de ser

Por Luiz Carlos Bresser-Pereira

Una amistad de mĂĄs de 30 años que nace a partir de la funciĂłn pĂșblica y la integraciĂłn regional y se fortalece desde la misma mirada ideolĂłgica y polĂ­tica. La lucha contra el liberalismo econĂłmico y por un nuevo desarrollismo llevarĂĄ a una constante labor de enseñanza y divulgaciĂłn de los principios fundamentales que les permitan a las naciones del Cono Sur vivir con sus propios recursos y alcanzar el desarrollo con inclusiĂłn.
 
Professor EmĂ©rito da Fundação GetĂșlio Vargas


-A A +A

Conheci Aldo Ferrer em 1983, quando ele era presidente do Banco de la Provincia de Buenos Aires e eu, presidente do Banco do Estado de SĂŁo Paulo, e nos reunimos para, com a participação de um saudoso amigo, Gustavo Petricioli, presidente da Nacional Financiera de MĂ©xico, criarmos a Latinequip, uma empresa que promoveria o comĂ©rcio de bens de capital atravĂ©s da integração produtiva dos trĂȘs paĂ­ses. A ideia bĂĄsica era de um amigo de nĂłs trĂȘs, o notĂĄvel cientista polĂ­tico HĂ©lio Jaguaribe.

Fiquei imediatamente encantado com Aldo Ferrer. Um homem pĂșblico da melhor qualidade, um economista brilhante que compartilhava comigo a crença no desenvolvimento econĂŽmico a ser alcançado atravĂ©s das ideias do desenvolvimentismo clĂĄssico ou estruturalismo latino-americano. Nossas duas mulheres eram psicanalistas. TĂ­nhamos tudo em comum. Ficamos amigos.

Foi uma longa amizade, na qual eu acompanhei o seu caminho pela vida pĂșblica e a universalidade, e ele, o meu. Foram mais de 30 anos de troca de ideias e de experiĂȘncias, mas nĂŁo foram anos felizes para o desenvolvimento dos nossos dois paĂ­ses. Quando nos encontramos pela primeira vez, a Argentina e o Brasil estavam mergulhados em uma grande crise da dĂ­vida externa, que aqui se transformou logo em alta inflação. No meio da crise, em 1987, me vi ministro da Fazenda do Brasil; meus interlocutores na Argentina eram Juan Sourrouille, Adolfo Canitrot e Roberto Frenkel. Com eles eu discutia os problemas da inflação e da dĂ­vida externa. Mas quando era preciso pensar o desenvolvimento de nossos paĂ­ses como um todo e os problemas sociais e polĂ­ticos que era necessĂĄrio enfrentar, a melhor conversa era sempre com Aldo. Ele tinha uma densidade toda particular.

Conversar sobre os problemas da nação e do desenvolvimento tornou-se fundamental quando, nos anos 1990, depois de dez anos de crise do modelo desenvolvimentista, nossos dois paĂ­ses foram tomados pelo liberalismo econĂŽmico e a dependĂȘncia. EntĂŁo nĂŁo bastava que fizĂ©ssemos a crĂ­tica das reformas neoliberais, que nĂŁo atendiam aos interesses do povo, mas dos capitalistas rentistas e dos financistas tanto os de nossos paĂ­ses quanto os dos paĂ­ses do Norte. NĂŁo bastava que afirmĂĄssemos, com base na experiĂȘncia, que o liberalismo econĂŽmico levava sempre a dĂ©ficits em conta-corrente, endividamento externo e crise –eram sempre experiĂȘncias de populismo cambial–. Era preciso tambĂ©m que fizĂ©ssemos nossa autocrĂ­tica. Que compreendĂȘssemos por que nosso desenvolvimentismo havia derivado muitas vezes para o populismo nĂŁo apenas cambial mas tambĂ©m fiscal. E era preciso construir um novo marco teĂłrico –o que vem sendo realizado pelos economistas associados ao novo desenvolvimentismo–. Em artigo de novembro de 2010, logo apĂłs um grande nĂșmero de notĂĄveis economistas do desenvolvimento ter assinado as “Dez teses sobre o novo desenvolvimentismo”, afirmou Aldo: “Esta iniciativa convocĂł a un amplio grupo de economistas, de varias partes del mundo, que comparten un ‘enfoque keynesiano y una aproximaciĂłn estructuralista a la macroeconomĂ­a del desarrollo’, para reflexionar sobre la governanza financiera y el nuevo desarrollismo”.

Crítica à “poupança externa”

Nossos paĂ­ses haviam sofrido crises financeiras seguidas de crises econĂŽmicas por se endividarem em moeda estrangeira. Mas ninguĂ©m punha em dĂșvida a “sabedoria” que nos vinha do Norte e que nos dizia que â€œĂ© natural que paĂ­ses ricos em capital transfiram seus capitais para os paĂ­ses pobres em capital”, que, sim, devĂ­amos incorrer em dĂ©ficits em conta-corrente e recorrer aos emprĂ©stimos e aos investimentos diretos das empresas multinacionais para financiĂĄ-los. Bastava que fĂŽssemos prudentes em relação aos dĂ©ficits e que estes fossem cobertos por investimentos diretos –estes, sempre “um presente dos cĂ©us para os paĂ­ses em desenvolvimento”– e estarĂ­amos no melhor dos mundos possĂ­veis.

Esta tese conflitava com a nossa experiĂȘncia. E nĂŁo apenas porque os dĂ©ficits em conta-corrente eram maiores do que os investimentos diretos, mas porque o paĂ­s acabava se endividando em moeda estrangeira –moeda que o paĂ­s nĂŁo pode nem emitir nem depreciar– e entrava em crises financeiras recorrentemente. TambĂ©m porque as empresas multinacionais investiam, mas o paĂ­s nĂŁo crescia mais do que crescia quando a poupança era sĂł interna. Nossa dura experiĂȘncia estava, portanto, em conflito com os conselhos que recebĂ­amos do Norte. E foi por isso que, em determinado momento, Aldo Ferrer, que acabara de publicar um livro bĂĄsico sobre a economia argentina (El Capitalismo Argentino), teve uma ideia inovadora e escreveu um livro pequeno mas fundamental, Vivir con lo Nuestro (2002). Ao invĂ©s de taxas de crescimento geralmente baixas e de crises financeiras cĂ­clicas que resultavam da polĂ­tica de crescimento com “poupança externa” (uma expressĂŁo esperta para tornar dĂ©ficits em conta-corrente uma boa coisa), Aldo disse nesse livro que devĂ­amos, simplesmente, viver com os nossos recursos. Buscar crescer com a poupança interna, nĂŁo com a poupança externa. E um pouco depois, escreveu outro livro na mesma direção, Densidad Nacional (2004). Este livro era novamente Aldo Ferrer por inteiro.

O que ele estava dizendo nĂŁo era, a rigor, absolutamente novo. Um dos fundadores do desenvolvimentismo clĂĄssico, Ragnar Nurkse, observando o que realmente acontecia, havia dito em Problems of Capital Formation in Underdeveloped Countries (1953), “o capital se faz em casa”. Mas nem ele prĂłprio levou esta frase Ă  sua consequĂȘncia lĂłgica – que o paĂ­s nĂŁo deveria incorrer normalmente em dĂ©ficit em conta-corrente, mesmo que este fosse financiado por investimentos diretos; provavelmente por duas razĂ”es: primeiro, porque parecia lĂłgico procurar somar a poupança externa Ă  poupança interna; segundo, porque o Banco Mundial e mais amplamente os “economistas do desenvolvimento” do Norte nĂŁo paravam de nos recomendar o crescimento com poupança externa.

Aldo Ferrer foi uma nacionalista econĂŽmico, e, portanto, um desenvolvimentista para o qual estava claro que Ă© impossĂ­vel para um paĂ­s da periferia do capitalismo se desenvolver e se integrar na economia mundial da maneira subordinada, como propĂ”em os paĂ­ses ricos, o Norte. Que, sem dĂșvida, o paĂ­s devia se integrar, mas competitivamente. Para ele nĂŁo havia nenhuma razĂŁo boa para que um paĂ­s como Argentina lograsse ser competitivo em certos setores, desde que sua taxa de cĂąmbio fosse competitiva, que nĂŁo fosse determinada pela rentabilidade das exportaçÔes de commodities, mas pela rentabilidade das empresas industriais competentes que o paĂ­s tem ou pode ter.

Foi aproximadamente na mesma ocasiĂŁo em que Aldo escrevia Vivir com lo Nuestro, em 2001, que eu publiquei o primeiro artigo do que, quinze anos mais tarde, viria a ser todo um sistema teĂłrico, jĂĄ com a participação de muitos economistas, o novo desenvolvimentismo. Este artigo denominou-se, "A fragilidade que nasce da dependĂȘncia da poupança externa" e nele eu começava a construir toda uma argumentação que explicava por que a polĂ­tica de crescimento com endividamento ou poupança externa nĂŁo contribui para o desenvolvimento econĂŽmico, mas o prejudica. Ou, em outras palavras, por que devemos evitar dĂ©ficits em conta-corrente, que implicam necessariamente endividamento em moeda estrangeira, e procurar crescer com nossos prĂłprios recursos.

O argumento Ă© simples. Primeiro, existe algo bem sabido: que o desenvolvimento econĂŽmico depende, fundamentalmente, da taxa de investimento. Este, naturalmente, incorporando progresso tĂ©cnico. Segundo, existe algo que poucos economistas se dĂŁo conta: que o investimento depende da taxa de cĂąmbio quando esta tende a ficar sobreapreciada no longo prazo. Eles nĂŁo se dĂŁo conta porque eles, independentemente da sua escola de pensamento, supĂ”em que a taxa de cĂąmbio Ă© volĂĄtil, mas no curto prazo, e, portanto, nĂŁo entra nos cĂĄlculos de investimento que fazem as empresas. Entretanto, se, como afirma o novo desenvolvimentismo, existe nos paĂ­ses em desenvolvimento uma tendĂȘncia Ă  sobreapreciação cĂ­clica e crĂŽnica da taxa de cĂąmbio, entĂŁo as empresas considerarĂŁo a taxa de cĂąmbio em suas decisĂ”es de investimento. Terceiro, existe, finalmente uma relação muito simples, mas geralmente esquecida, entre o dĂ©ficit em conta-corrente de um paĂ­s e a taxa de cĂąmbio que “equilibra” esse dĂ©ficit. Quanto maior for o dĂ©ficit em conta-corrente, mais apreciada serĂĄ a sua moeda. Logo, quando o paĂ­s aceita a ideia de que se desenvolverĂĄ mais rapidamente incorrendo em dĂ©ficits em conta-corrente, ele estarĂĄ apreciando sua moeda. Como essa apreciação Ă© crĂŽnica ou de longo prazo, ela serĂĄ um forte desencorajador do investimento. A taxa de investimento cairĂĄ, e, em consequĂȘncia, aumentarĂĄ o consumo, nĂŁo o investimento. Ou, em outras palavras, haverĂĄ uma alta taxa de substituição da poupança interna pela externa.

Tudo isto é muito claro, e eu conversei muitas vezes com Aldo sobre esta questão. Eståvamos de acordo. Mas nosso acordo de nada adiantava, jå que os governantes e os economistas de nossos dois países não sabem nem querem saber estas coisas. Eles continuam empenhados em tentar crescer com poupança externa. Isto é verdade no Brasil, isto é verdade na Argentina.

Desde a crise de 2001, porĂ©m, a Argentina passou a ter uma vantagem. Dada a restruturação da dĂ­vida que o paĂ­s realizou, ele perdeu o crĂ©dito, e os governos nĂŁo tiveram alternativa senĂŁo manter sua conta-corrente equilibrada. Mas sempre contra vontade. Seja no governo dos Kircheners, seja no atual governo. EstĂŁo sempre querendo recuperar o crĂ©dito para poder voltar a se endividar em moeda estrangeira. Neste momento acredito que, afinal, isto serĂĄ conseguido. O governo e seus economistas dirĂŁo que entrarĂŁo em dĂ©ficit em conta-corrente e se endividarĂŁo para financiar investimentos, mas, na verdade, financiarĂŁo consumo. O que facilitarĂĄ sua reeleição, se o baixo crescimento e afinal a crise cobrarem o seu preço. Em entrevista a PĂĄgina 12 (8.5.16), Gabriel Palma afirmou, preocupado, em relação Ă  Argentina: “Hay un peligro de irse por la vĂ­a del endeudamiento y creo que este gobierno va a hacer precisamente eso pues la tentaciĂłn es muy grande, es un esquema insostenible en el mediano plazo a menos que esos recursos se inviertan, lo cual es poco probable”

Aldo Ferrer nĂŁo tinha dĂșvidas quanto aos malefĂ­cios dos dĂ©ficits em conta-corrente. No artigo jĂĄ citado, de 2010, com o tĂ­tulo, “Nuevo desarrollismo”, ele escreveu: “En efecto, Argentina saliĂł de su crisis rechazando el canon ortodoxo y reasumiendo el comando de su polĂ­tica econĂłmica sin pedirle nada a nadie, ni dinero ni consejos. Es decir, demostrĂł que no son recursos los que escasean sino la buena calidad de las polĂ­ticas pĂșblicas”.

Era impressionante o respeito e a admiração que Aldo Ferrer despertava em seus colegas economistas na Argentina e tambĂ©m no Brasil. Aqui, em 2013, eu estive presente na cerimĂŽnia na qual ele recebeu o tĂ­tulo de “economista estrangeiro do ano” que lhe foi outorgado pelo Conselho Nacional de Economistas. Na Argentina, quantas vezes eu participei de painĂ©is de debates econĂŽmicos nas quais a presença dele na mesa era quase que obrigatĂłria.

Em 2014 ele foi nomeado embaixador da Argentina na França, e estive com ele algumas vezes, na embaixada. Ele estava sempre sorridente, e me recebia com alegria, mas ele nĂŁo estava no seu papel preferido –o de economista do desenvolvimento–. Estava lĂĄ como um servidor pĂșblico nĂŁo-profissional que, quando chamado, tem a obrigação de atender Ă  demanda que lhe Ă© feita. NĂŁo foi a primeira vez que fez isto. Ocupou vĂĄrios cargos, inclusive o de Ministro da Economia, divertia-se com o trabalho que realizava, mas era, essencialmente, um economista intelectual pĂșblico, nĂŁo um burocrata, nem um polĂ­tico, que ocupava cargos em vista do interesse pĂșblico.

Vi Aldo pela Ășltima vez em Buenos Aires, em maio de 2015. Ele chegou ao restaurante com seu tradicional sorriso, mas agora havia nesse sorriso um elemento sardĂŽnico. Com a idade ele se tornara um sĂĄbio, que olhava os seus conterrĂąneos com um misto de amor e de ironia. Tantas lutas, tantos ideais, em tantas pessoas, e, no entanto, o progresso nĂŁo apenas econĂŽmico, mas tambĂ©m social, polĂ­tico e no plano da proteção do meio-ambiente revelava-se muito lento, e, em determinados momentos, experimentava retrocesso. Talvez seja esse o destino dos intelectuais pĂșblicos: contrastar suas grandes esperanças com a dura realidade e nĂŁo desanimar, muito menos desesperar, mas compreender. AlĂ©m de um notĂĄvel economista, Aldo Ferrer foi um grande homem pĂșblico argentino.

<
>


DESCARGAR - VER
NÂș 71: El derecho a la ciudad


DESCARGAR - VER
NÂș 70: Salud


DESCARGAR - VER
NÂș 68: Derechos Humanos


DESCARGAR - VER
NÂș 69: MERCOSUR


DESCARGAR - VER
NÂș 67: Relaciones Internacionales


DESCARGAR - VER
NÂș 66: La EducaciĂłn de la Primera Infancia


DESCARGAR - VER
NÂș 65: La Universidad como derecho


DESCARGAR - VER
NÂș 64: DEUDA EXTERNA


DESCARGAR - VER
NÂș 63: reforma de la justicia


DESCARGAR - VER
NÂș 62: La Secundaria como derecho


DESCARGAR - VER
NÂș 61: CULTURA


DESCARGAR - VER
NÂș 60: Extractivismo


DESCARGAR - VER
NÂș 59: La ResponsabilizaciĂłn en la gestiĂłn pĂșblica


DESCARGAR - VER
NÂș 58: Deporte y Sociedad


DESCARGAR - VER
NÂș 57: ÁFRICA


DESCARGAR - VER
NÂș 56: ASIA


DESCARGAR - VER
NÂș 55: EconomĂ­a Internacional


DESCARGAR - VER
NÂș 54: Homenaje a Aldo Ferrer


DESCARGAR - VER
NÂș 53: NÂș 53


DESCARGAR - VER
NÂș 52: Las deudas de la Democracia I


DESCARGAR - VER
NÂș 51: Juventud


DESCARGAR - VER
NÂș 50: Un mundo en Guerra


DESCARGAR - VER
NÂș 49: Libertad de expresiĂłn


DESCARGAR - VER
NÂș 48: FUERZAS ARMADAS Y DEMOCRACIA


DESCARGAR - VER
NÂș 47: Problemas Urbanos


DESCARGAR - VER
NÂș 46: CyMAT


DESCARGAR - VER
NÂș 45: Sexualidades


DESCARGAR - VER
NÂș 44: EE.UU. y AmĂ©rica Latina


DESCARGAR - VER
NÂș 43: Desarrollo y Medio Ambiente


DESCARGAR - VER
NÂș 42: DROGAS


DESCARGAR - VER
NÂș 41: Salud


DESCARGAR - VER
NÂș 40: Internet y Nuevas TecnologĂ­as


DESCARGAR - VER
NÂș 39: Internet y Nuevas TecnologĂ­as


DESCARGAR - VER
NÂș 38: EconomĂŹa Social y Solidaria


DESCARGAR - VER
NÂș 37: economĂ­a social


DESCARGAR - VER
NÂș 36: Tercera edad


DESCARGAR - VER
NÂș 35: CĂłrdoba


DESCARGAR - VER
NÂș 34: Control Social


DESCARGAR - VER
NÂș 33: EducaciĂłn Superior


DESCARGAR - VER
NÂș 32: GĂ©nero


DESCARGAR - VER
NÂș 31: 30 años de democracia


DESCARGAR - VER
NÂș 30: Justicia


DESCARGAR - VER
NÂș 29: DesafĂ­os culturales


DESCARGAR - VER
NÂș 28: EconomĂ­as Regionales


DESCARGAR - VER
NÂș 27: EconomĂ­as Regionales


DESCARGAR - VER
NÂș 26: NÂș 26


DESCARGAR - VER
NÂș 25: pueblos indĂ­genas


DESCARGAR - VER
NÂș 24: Ciencia y Poder


DESCARGAR - VER
NÂș 23: pobreza II


DESCARGAR - VER
NÂș 22: Pobreza


DESCARGAR - VER
NÂș 21: Migraciones


DESCARGAR - VER
NÂș 20: AGUA


DESCARGAR - VER
NÂș 19: IntegraciĂłn Regional


DESCARGAR - VER
NÂș 18: Estado II


DESCARGAR - VER
NÂș 17: Estado I


DESCARGAR - VER
NÂș 16: Industria


DESCARGAR - VER
NÂș 15: Seguridad democrĂĄtica


DESCARGAR - VER
NÂș 14: Reforma fiscal II


DESCARGAR - VER
NÂș 13: Reforma fiscal I


DESCARGAR - VER
NÂș 12: AgroganaderĂ­a


DESCARGAR - VER
NÂș 11: Crisis financiera internacional


DESCARGAR - VER
NÂș 10: EnergĂ­a


DESCARGAR - VER
NÂș 9: Transporte


DESCARGAR - VER
NÂș 8: Ciencia y tecnologĂ­a


DESCARGAR - VER
NÂș 7: Salud


DESCARGAR - VER
NÂș 6: Empleo


DESCARGAR - VER
NÂș 5: HĂĄbitat y vivienda


DESCARGAR - VER
NÂș 4: Argentina en el mundo


DESCARGAR - VER
NÂș 3: EducaciĂłn


DESCARGAR - VER
NÂș 2: Medio ambiente


DESCARGAR - VER
NÂș 1: Argentina hoy

Voces en el Fénix NÂș 54
AL MAESTRO CON CARIÑO

Homenaje a Aldo Ferrer

ArtĂ­culos de este nĂșmero

Marcelo Rougier y Juan Odisio
Aldo Ferrer: teorĂ­a y prĂĄctica del desarrollo en la Argentina
Ricardo Aronskind
Aldo Ferrer y la construcciĂłn de la densidad nacional
Alberto MĂŒller
“Vivir con lo nuestro”: coyuntura y vigencia
Fernando Porta y Fernando Peirano
Aldo Ferrer: tecnología y política en América latina
Graciela E. Gutman y Gabriel Yoguel
Aldo Ferrer y sus aportes sobre el desarrollo tecnolĂłgico en la periferia. Reflexiones a partir de su libro “TecnologĂ­a y PolĂ­tica EconĂłmica” (1ÂȘ ed., 1974)
MartĂ­n Schorr
ÂżPuede la Argentina pagar su deuda externa? AnĂĄlisis y reflexiones de Aldo Ferrer sobre los legados de la Ășltima dictadura militar
MatĂ­as Kulfas
Pasado y futuro del desarrollo argentino desde el pensamiento de Aldo Ferrer
Paula Español y Germån Herrera Bartis
Empresariado nacional y desarrollo econĂłmico. Algunas notas para alentar la discusiĂłn
Stella Maris Biocca
La restauraciĂłn de la colonia
Alejandro Rofman
Los dos modelos en pugna en la visiĂłn de Aldo Ferrer
Julio A. Ruiz
ÂżHay luz al final del tĂșnel?
Mario Rapoport
La historia de la globalizaciĂłn segĂșn Aldo Ferrer
Marta Bekerman y Anabel Chiara
Comentario al trabajo de Aldo Ferrer: “Globalización, desarrollo y densidad nacional”
José Briceño Ruiz
Aldo Ferrer y la integración regional en América latina
José Miguel Amiune
Lo que aprendĂ­ de Aldo Ferrer: pensar crĂ­ticamente el sistema internacional y la distribuciĂłn del poder mundial
Horacio Verbitsky
Orantes y penitentes
Luiz Carlos Bresser-Pereira
Aldo Ferrer e a densidade de ser
Jorge Gaggero
Los hermanos Ferrer. Marta (1944-1976) y Aldo (1927-2016). In memoriam

Newsletter